sábado, 5 de março de 2011

Artigo de Opinião

Por: Prof. Sebastião Valente


Pela Festa, Pela Tradição, Pelo Amor ao Próximo, Contra certas Demagogias



Há dias vendo o programa de televisão em que estavam a ser entregues os prémios atribuídos pela Sociedade Portuguesa de Autores aos vários personagens que se haviam destacado nos vários campos da vida artística, de repente sou confrontado com um senhor que nem sequer fixei o nome nem o galardão a que teve direito dada a fraca projecção que o mesmo representava para mim e certamente para milhões de portugueses como eu.

Este senhor, depois de receber o prémio, usando de um ardiloso estratagema pediu licença para fazer um pedido a qual lhe foi concedida pela apresentadora do programa. E então, em nome daquilo que disse ser a defesa de todas as espécies de sofrimento, pediu à Senhora Ministra da Cultura que deixasse de apoiar as touradas.

Embora, plenamente consciente de que o meu apelo não tem, nem pode ter, o impacto do desse cavalheiro, dado a projecção que o meio que ele usou tem em relação a este que estou a utilizar não posso, de qualquer modo, ficar calado e deixar de pedir à Senhora Ministra da Cultura que continue a apoiar a Festa de Touros.

Faço-o e simultaneamente dou-lhe os meus parabéns pelo que isso, num país como o nosso em que as ideias que vêm de fora importadas e adoptadas por certo meio pseudo intelectual, representa de coragem política.

Esqueceu-se provavelmente esse senhor de fazer um apelo a todos os dirigentes mundiais para que acabem com o sofrimento humano. Que erradiquem de vez a fome, a miséria física e moral que vai por grande parte do Globo, que apoiem as crianças que todos os dias morrem com falta de assistência médica e sem os mais básicos cuidados alimentares e de higiene.

Esqueceu-se, certamente por lapso, de pedir apoio para os milhares de idosos que todos os dias vivem a amargura da solidão. Não se lembrou de pedir mais apoio para milhares de dadores benévolos de sangue e respectivas instituições que todos os dias dão um pouco de si para que muitas vidas sejam salvas.

Esqueceu-se, provavelmente, esse senhor dos milhares de famílias que têm a sua sobrevivência dependente, desta ou daquela maneira, da Festa de Touros e que se não ganharem os seus ordenados não pagarão os impostos com que, se calhar, vai ser subsidiada a sua actividade.

Esqueceu-se esse senhor que, todos os anos, há dezenas de corporações de bombeiros que só têm meios para o socorrer a ele ou a outros demais cidadãos que tenham a infelicidade de ter algum percalço na vida, porque a generosidade dos homens dos toiros lhe permitiram ter ao seu dispor esses meios.

Esqueceu-se esse senhor que há dezenas de instituições de apoio a crianças com problemas físicos e mentais que só podem implementar cabalmente os seus projectos porque os toureiros e se dispõem a arriscar a vida em prol dessas mesmas.

Não sabe esse senhor que todos anos instituições como a Abraço e a Abrigo são contempladas com o produto de espectáculos taurinos que se realizam em seu benefício.

Será que esse senhor já ouviu dizer que grande parte das Misericórdias têm no rendimento que tiram do aluguer das Praças de Touros o fundo necessário para exercerem a sua meritória acção.

Certamente nunca soube que Joaquim José Correia perdeu a vida no dia em que fazia 21 anos e precisamente toureando desinteressadamente a favor do Orfanato Escola Santa Isabel .

Esqueceu-se provavelmente esse senhor que as touradas, como ele diz, constituem uma tradição profundamente enraizada num estrato social que ele desconhece e que tira da terra o pão que todos os dias ele e outros como ele têm fresco logo ao pequeno almoço .

Não sabe esse senhor que os espectáculos taurinos se realizam em recinto fechado, onde só vai quem quer e até tem que pagar para entrar.

E, que eu saiba, em Portugal ainda há liberdade para cada um escolher aquilo de que gosta.

Deixemo-nos de demagogias baratas…
Obrigado Senhora Ministra por não dar ouvidos a quem não merece e continuar a apoiar a Festa.

1 comentário:

  1. E o touro escolhe o quê exactamente? Luxuria criminosa...

    ResponderEliminar