segunda-feira, 21 de Setembro de 2009

Corrida das Vindimas em Almeirim


- Praça de toiros de Almeirim
- Data: 20 de Setembro de 2009, pelas 17.00 horas
- Empresa: Toiros & Tauromaquia, Lda.
- Ganadaria: Fernandes de Castro
- Cavaleiros: Rui Salvador, Luís Rouxinol, Filipe Gonçalves, João Telles Jr.
- Cavaleiro Praticante: Tiago Carreiras, João Salgueiro da Costa
- Grupos de Forcados Amadores: de Alcochete e da Chamusca, capitaneados por Vasco Pinto e Nuno Marques, respectivamente.
- Assistência: ¾ de casa
- Delegados da IGAC: Delegado técnico tauromáquico Sr. Manuel Jacinto, assessorado pelo médico veterinário Dr. José Luís Cruz.

Bastante público para assistir a mais uma corrida das vindimas, desta vez com um cartel de seis cavaleiros: duas figuras consagradas, dois cavaleiros de alternativa que mostraram já o seu valor e dois cavaleiros praticantes já com provas dadas, a lutarem pela atribuição do prémio para a melhor lide. Para as pegas, competição entre dois grupos de forcados, na disputa do troféu para a melhor pega.

No intervalo da corrida foi entregue o prémio para a melhor pega de 2008 ao forcado Rui Pedro do Grupo de Forcados Amadores da Chamusca.

Os toiros, da Ganadaria de Fernandes de Castro, saíram díspares de apresentação e comportamento. Com pesos anunciados de 515 a 580 Kg, saíram mansos, sem mobilidade e muito reservados os 2º, 3º, 5º e o sobrero, cumprindo o lidado em 4º lugar, embora sem se empregar o suficiente, e deixando-se lidar o último da corrida. Do curro lidado nesta corrida, dois (2º e 6º) estavam ferrados com o algarismo 6 na espádua, sendo, portanto novilhos e não toiros, pelo que não deveriam ter entrado em praça. Em termos de apresentação, também o toiro saído em 3º lugar era indigno de entrar numa praça desta categoria. O sobrero, que saiu em substituição do 1º da ordem, mostrava grandes manchas sem pêlo, resultantes, ao que parecia, de doença, pelo que também não deveria ter saído à arena.

Abriu praça o cavaleiro Luís Rouxinol, depois de Rui Salvador ter visto ser devolvido o toiro que lhe tocara em sorte, com nítidos problemas físicos. Colocou três ferros compridos, sendo que o primeiro ficou bastante descaído e o terceiro foi de boa nota, pela execução da sorte e pela colocação. Nos curtos, de frente e a entrar pelo novilho adentro, deixou três ferros de nota alta, numa lide em que o astado não se empregava minimamente. Finalizou com um ferro em sorte de violino, seguido de um palmo e o habitual par de bandarilhas, saindo debaixo de fortes aplausos.

Rui Salvador, teve pela frente o sobrero, ferrado com o 4 e acusando na balança (que nos pareceu, no geral, estar mal aferida) o peso de 690 Kg. Abriu o toiro com dois compridos de rápida execução e de bom efeito. Sacou dos seus pergaminhos e, perante um toiro difícil, executou uma grande lide nos curtos, com cinco ferros colocados de frente, ao estribo e em reuniões bastante ajustadas e com emoção. Destaque para o último ferro, com o toiro a ir bem lá acima, defendendo-se no momento da reunião e saindo por cima da garupa do cavalo. Uma grande lide, com muita seriedade, perante um toiro muito reservado, com pouca mobilidade e com o sentido próprio da idade.

Filipe Gonçalves teve uma tarde apagada numa lide construída com piruetas nos remates e com pouca verdade nos momentos cruciais, deixando ferros em quarteios muito abertos, que resultaram em reuniões muito aliviadas. O primeiro comprido, à tira teve correcta execução, sendo que no segundo abriu o quarteio em demasia e foi pescado na colocação. Os cinco ferros curtos foram colocados em reuniões pouco conseguidas, ouvindo-se alguns assobios no decurso do seu labor. Terminou com um violino mal executado. Apesar da lide e de alguns assobios que escutou, saiu com prontidão para a volta à arena.

João Telles Jr veio, mais uma vez, provar que está num bom momento da sua, ainda curta, carreira. Não começou da melhor forma esta sua actuação, com um primeiro ferro comprido à tira algo pescado, mas, de imediato, corrigiu, deixando um bom ferro, numa tira bem desenhada e de correcta execução. Nos curtos deliciou o público com o seu bom conceito toureiro, sempre muito ligado, a tourear e a colocar o toiro sempre com bom critério. Quatro ferros de grande nível a um toiro que, embora sendo o melhor, não se empregava no momento da reunião, seguidos de um violino, um palmo e um par de bandarilhas, constituiram uma lide bem conseguida e muito aplaudida pelo público presente.

Tiago Carreiras está também ele, no caminho dos êxitos… Perante um toiro parado, que o obrigou a passar em falso muitas vezes antes de colocar os ferros, despachou dois compridos sem grande destaque e deixou quatro curtos de boa nota, em que teve que pôr tudo sozinho, já que o toiro não colaborava. Numa lide curta no tempo, valeram os remates com o Quirino e a vontade demonstrada pelo cavaleiro.

João Salgueiro da Costa, a “jogar” praticamente em casa, e sendo o mais novo dos componentes do cartel, conseguiu arrebatar o troféu para a melhor lide. Com um toureio frontal, de praça a praça, alegrando as sortes, deixou ferros emotivos, em reuniões cingidas. Citando de praça a praça, a ir de encontro ao toiro, sem enganos, deixou dois grandes ferros compridos, em reuniões no centro da arena. Para os curtos continuou no mesmo (e bom) estilo e colocou cinco ferros de muito valor, com destaque para o primeiro, sempre rematados a rodar no piton e levando o toiro em vistosos ladeios. Nota negativa para as voltas que deu à arena antes de sair, que, infelizmente cada vez mais, vamos presenciando nas nossas praças.

O Grupo de Forcados Amadores de Alcochete, iniciou a tarde de pegas por intermédio de João Pedro Sousa que citou de meia praça, o toiro arrancou de pronto, mas o forcado fechou-se bem, numa boa pega à córnea, bem ajudado pelo grupo. Ruben Figueiredo citou de largo, com o toiro bem encostado em tábuas, mas que arrancou mal avistou o forcado, com muita pata, mas este a reunir muito bem, para uma muito boa pega, com o grupo a mostrar grande coesão nas ajudas. A finalizar a boa actuação dos de Alcochete saiu Nuno Santana que, após um cite correcto, a mandar bem no toiro, concretizou uma boa pega à córnea, com o grupo, uma vez mais, a mostrar muita coesão.

Pelo Grupo de Forcados Amadores da Chamusca, a actuar perante o “seu” público (já que muitos dos seus elementos são de Almeirim), começou Nuno Marecos, que, com um cite em curto e com o toiro a sair solto do capote do bandarilheiro, não conseguiu reunir. À segunda tentativa não toureou o suficiente e recebeu mal, pelo que não conseguiu agarrar-se ao toiro. Corrigiu à terceira, consumando a pega com o grupo a ajudar bem. Apesar de tudo, no final, saiu espontaneamente para a volta à arena com o cavaleiro, agradecendo, sozinho nos médios após a volta. Rui Pedro, vencedor do prémio para a melhor pega de 2008 nesta praça, saiu para pegar o 4º toiro da tarde. Citando de largo, a fixar o toiro, mostrando-se bem, mandou vir quando quis e consumou uma muito boa pega, bem ajudado pelo grupo que mostrou coesão. Para pegar o último da corrida saltou Emanuel Injai que, com um cite a dar vantagens, mandou vir, reuniu de forma correcta e vistosa, com o toiro a fugir ao grupo que, rapidamente, fechou a melhor pega da tarde e que viria a ser premiada no final. Destaque para a grande primeira ajuda, que, muito justamente, foi premiada com a volta à arena.

O Mais e o Menos
+ A lide de João Salgueiro da Costa.
- O sobrero e o terceiro toiro da corrida, indignos de entrar em praça.

Sem comentários:

Enviar um comentário